sábado, 3 de abril de 2010

PROVAS CIENTÍFICAS CONCLUSIVAS: A HOMOSSEXUALIDADE É TRATÁVEL!

A Associação Nacional de Pesquisa e Terapia da Homossexualidade com base nos EUA (NARTH - National Association for Research and Therapy of Homosexuality) acaba de lançar sua tão esperada análise de mais de 125 anos de investigação científica sobre a homossexualidade, informa a Family Watch International.

Este relatório inovador, "O que a Pesquisa Mostra," desmonta mitos que são comumente usados para promover a legalização do casamento homossexual e de integração da homossexualidade na sociedade e nas escolas públicas, por força de lei.

A NARTH é uma associação profissional de cientistas e profissionais de saúde mental, cuja missão declarada é de realizar e divulgar pesquisas científicas sobre a homossexualidade, promover um tratamento eficaz, e proteger o direito dos indivíduos com a atração sexual indesejada pelo mesmo sexo para receber cuidados eficazes.

Embora se possa pensar que essa missão seria vista como louvável e relativamente não-controversa, a realidade é exatamente o oposto. Os ativistas homossexuais tentam suprimir a investigação sobre atração pelo mesmo sexo, porque um dos pilares da defesa de direitos homossexuais é a mentira de que os homossexuais "nasceram assim" e não se pode mudar sua orientação. Uma vez que o relatório da NARTH prova que o homossexualismo pode ser mudado através da terapia da mesma forma que as condições como o alcoolismo e outros vícios podem ser alterados, todo o processo de integração da homossexualidade na sociedade desintegra-se. Outro mito que o relatório da NARTH contesta é que a terapia para ajudar pessoas com atração sexual indesejada pelo mesmo sexo é ineficaz e até prejudicial.

A extensa pesquisa e experiência clínica analisada pela NARTH deixa claro, mesmo para um leigo, que estas alegações são falsas. Os ativistas homossexuais espalham esses equívocos sobre a homossexualidade e até perseguem os seus próprios que procuram tratamento porque eles sabem que pesquisas de opinião pública mostram que as pessoas que acreditam que os homossexuais "nascem assim" são mais propensos a apoiar a agenda homossexual. A NARTH é uma das poucas organizações profissionais dignas de confiança em todo o mundo que é bem sucedida no desafio a essa campanha homossexual.

Especificamente, o relatório da NARTH confirmam as seguintes conclusões:

1. Há evidências substanciais de que a orientação sexual pode ser mudada por meio da terapia de reorientação.

"O sucesso do tratamento para os clientes que procuram mudar a homossexualidade não desejada e desenvolver seu potencial heterossexual tem sido documentado na literatura profissional e de pesquisa desde o final do século 19. ... 125 anos de relatos clínicos e científicos que documentam os assistidos profissionalmente e outras tentativas de mudança voluntária da homossexualidade para a heterossexualidade tem sido bem sucedida para muitos e que tal mudança continua a ser possível para aqueles que estão motivados para tentar ".

2. Os esforços para mudar a orientação sexual não têm se mostrado consistentemente prejudiciais ou que normalmente levem a um maior auto-ódio, depressão e outros comportamentos auto-destrutivos.

"Reconhecemos que a mudança na orientação sexual pode ser difícil de atingir. O mesmo acontece com outros desafios difíceis de padrões comportamentais, tais como baixa auto-estima, abuso de álcool, fobias sociais, transtornos alimentares, ou distúrbio de personalidade limítrofe, bem como as compulsões sexuais e vícios - mudança através da terapia não é fácil. "

"Nós concluímos que os benefícios documentados da terapia de reorientação e da falta documentada de sua nocividade geral suporta sua disponibilidade permanente para os clientes que exerçam o seu direito de autonomia terapêutica e à autodeterminação através de consentimento informado eticamente."

O relatório da NARTH adverte que "O conjunto limitado de relatos clínicos que afirmam que o dano é possível, se não provável, quando uma pessoa simplesmente tenta mudar, foram escritos por profissionais do ativismo gay".

3. Há significativamente maior patologia relacional, médica e psicológico na população homossexual do que na população geral.

"Os investigadores mostraram que a patologia médica, psicológica e de relacionamento dentro da comunidade homossexual é mais prevalente do que na população geral. ... Em alguns casos, os homens homossexuais têm maior risco do que homens homossexuais e mulheres heterossexuais, enquanto em outros casos, as mulheres homossexuais estão mais em risco do que homens homossexuais e mulheres heterossexuais. ... No geral, muitos desses comportamentos problemáticos e disfunções psicológicas são vivenciadas entre homossexuais em cerca de três vezes a prevalência encontrada na população em geral, e às vezes muito mais. ... Nós acreditamos que nenhum outro grupo de tamanho comparável na sociedade experimente patologias tão amplas e intensas. "

Você pode ler o resumo do relatório da NARTH clicando aqui.

Fontes: Christian TelegraphNARTH

Tradução livre: André Fonseca

Via: Interdenominacional / Ministério Beréia

2 comentários:

  1. Muito importante esse relatório. Precisamos divulgar amplamente contra a agenda gay. tenho postado alguma coisa no meu blog para chamar a atenção de tão grave situação prejudicial à sociedade e pecado contra Deus.

    ResponderExcluir
  2. O problema da emancipação do homossexualismo é muito mais grave do que as mentiras dos ativistas gays.
    A família fundada no matrimonio entre homem e mulher é sempre um obstaculo para o controle da população pelo Estado, por isso estão tentando destrui-la. Existe um satanico interesse economico e politico na emancipação da agenda gay.

    ResponderExcluir