quarta-feira, 11 de maio de 2011

Vitória dos gays, famílias envergonhadas, mas Deus ainda está agindo!

Infelizmente, na quinta feira passada dia 05 de maio, o Supremo Tribunal Federal reconheceu como legal a união entre gays. Considerou como uma "entidade familiar" como a família normal a que estamos habituados a reconhecer. Agora os casais homossexuais podem juridicamente se casar com uma união estável reconhecida na justiça garantindo direitos que são comuns a casais heterossexuais tais como:

1- Pensão
2- Herança
3- Comunhão de bens
4- Previdência

Isto é legalizar o que é abominável aos olhos divinos, Êxodo 18.22: "Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é." Também em 20.13: "Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles."

Os senhores juízes do STF legislaram de acordo com a nova moralidade que está aí todos os dias escrachada na mídia. Passaram ao largo da família como foi estabelecida no princípio por Deus, ou seja, homem e mulher, macho e fêmea (Gn 2.18-25). Criaram os homens uma família à imagem e semelhança de si mesmos, ou seja, pecadores. A família criada legitimamente por Deus é pura, perfeita e agradável ao Senhor, assim como Sua própria vontade (Rm 12.2).

Não é o caso de que o indivíduo, o cidadão, não tenha seus direitos garantidos pela Constituição Federal, a lei maior de nosso país. Mas legalizar estas uniões, bizarras que são, para que tenham as partes direitos garantidos, é querer justificar o erro, ou seja, aquilo que Deus condena em Sua Palavra. Também agora esses casais de gays masculinos e/ou femininos também irão requerer o direito de criarem filhos. Ou seja, vão garantir que a próxima geração já seja gay desde a mais tenra idade.

A família saudável e estável constitui-se do marido/pai e esposa/mãe. Os filhos oriundos desta união legítima serão criados da maneira adequada, ou seja, terão a normal figura masculina em suas atribuições e responsabilidades como Deus determinou, e terão a normal figura feminina, igualmente exercendo suas funções segundo a vontade do Senhor.

A maioria do povo de nosso país é contra este tipo de união espúria. A maioria não é a favor destas uniões que atentam contra os mandamentos judaico-cristãos sobre a família. Também não se vê nenhuma maioria de pessoas que concordem que uma criança seja criada por dois homens ou duas mulheres que façam o papel de pai e mãe.

Concordamos que houve uma ruptura com o projeto divino para o homem, quando ele pecou no Éden. Sujeito agora aos seus instintos, ele começa a alterar o papel que Deus lhe reservara. O homem passa a ver a mulher como um objeto para satisfação de seus instintos. A mulher, embora seja atraída ao seu marido (Gn 3.16) começa cada vez mais a buscar sua autonomia. O sexo passa a ser um fim em si mesmo, a poligamia pode indicar isto juntamente com a prostituição (4.19; 6.2; 16.1-4). E continua a espiral descendente do homem e da mulher no livro de Gênesis, até que encontramos na decisão de Deus em destruir Sodoma e Gomorra (cap. 19) e um dos motivos para esta ação divina sobre os habitantes destas cidades é exatamente a homossexualidade de seus habitantes.

Isto posto, é totalmente reprovável a atitude dos magistrados do STF. Repudio veementemente a decisão que tomaram. Agora, o lobby homossexual fará tudo para que a PLC 122, que criminaliza toda opinião filosófica, médica, moral ou religiosa contrária à relação sexual entre duas pessoas do mesmo sexo, seja aprovada. Amanhã, dia 12 de maio, esta matéria será votada no Senado Federal. Muito embora a senadora Marta Suplicy tenha sugerido em texto substitutivo que discursos feitos nos interiores dos templos não fossem considerados crimes, todavia ficou mantido de que declarações em lugares públicos na mídia contra o estilo de vida gay sejam considerados crimes passíveis de punição pela Justiça.

Louvável a atitude do deputado Jair Bolsonaro, que distribuiu panfletos contra os defensores dos gays em Resende no Rio de Janeiro. Escreve Bolsonaro no panfleto: “Com o falso discurso de combater a homofobia, o MEC em parceria com grupos LGBTs, na verdade, incentivam o homossexualismo nas escolas públicas do 1° Grau, bem como, tornam nossos filhos presas fáceis para pedófilos.”

O deputado Bolsonaro apresenta em seu material, 180 ítens do Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de LGBT denominado por ele de "Plano Nacional da Vergonha". A apresentação da cartilha declara: “Ilustríssimos senhores e senhoras chefes de família, apresento alguns dos 180 itens deste que chamo Plano Nacional da Vergonha, onde meninos e meninas, alunos do 1º grau, serão emboscados por grupos homossexuais fundamentalistas, levando a mensagem de que ser gay ou lésbica é motivo de orgulho para a família brasileira”.

Lamentável e profundamente triste o que este governo pretende fazer com a juventude brasileira. Já está confirmado de que será distribuído no segundo semestre o kit escolar para combater a violência contra os gays. Intitulado "Escola sem Homofobia", o kit será enviado para 6.000 colégios públicos do Brasil. É óbvio que este material estimulará a homossexualidade entre alunos e até mesmo a pedofilia. Segundo o Ministério da Educação, o objetivo deste kit é ensinar os estudantes a aceitar as diferenças e evitar agressões e perseguições a colegas que assumem a homossexualidade. Está direcionado a professores e alunos do ensino médio em geral com 14 a 18 anos. O material contém vídeos que tratam a homossexualidade, bissexualidade e de namoro gay e lésbico.

Mas o Deus que tudo vê e conhece as intenções do coração está a contemplar a institucionalização desta iniquidade em nossa pátria. E o papel de Seu povo? Omissos? Estaremos de boca fechada a permitir que a Lei do Senhor seja subvertida segundo a impiedade do coração humano? Devemos continuar cada vez mais a proclamar em alto e bom som o Evangelho libertador de Jesus Cristo. Declarar que Deus abomina completamente tudo isso. Declarar igualmente que haverá um dia de acerto de contas entre o homem e o Senhor, pois Ele é o Juiz de toda a terra (Gn 18.25).

A influência benéfica do Evangelho verdadeiro deve ser ainda mais implementada. Os homens devem aspirar a fragância do conhecimento de Cristo que por meio de nós é manifestada (2Co 2.14). Na verdade, esta é uma batalha espiritual, onde o diabo tenta a cada dia corromper ainda mais a sociedade por meio da pecaminosidade inerente à raça humana. Mas o Espírito de Deus ainda continua a agir por meio do Evangelho e convencendo a muitos corações sobre a verdade do Evangelho libertador de Cristo Jesus (Jo 16.7-11).

Vitória dos gays. Famílias envergonhadas. Mas realmente, em meio a tudo isso, é notório o agir de Deus. Sejamos participantes deste mover divino para que Sua vontade prevaleça entre os homens e Satanás seja envergonhado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário